Igreja da Sagrada Família

No centro do edificado, rodeada por um claustro interior, encontra-se a Igreja do Seminário, de plana octogonal. 

Como curiosidade, refira-se que o centro exato de edifício encontra-se no local onde está o Sacrário da Igreja, pormenor digno de relevo pelo seu valor simbólico: o Seminário é o "coração da Diocese" e no "coração" do Seminário encontra-se o Sacrário, local onde é guardado Jesus-Eucaristia.

No interior da Igreja merece destaque o órgão de tubos, construído em 1762 pelo espanhol João Fontana de Maquera, pertencendo à categoria dos "órgãos ibéricos" e possuindo 1500 tubos.

Nas paredes laterais encontram-se esculturas representando os 4 Padres da Igreja Ocidental: S. Jerónimo, St. Ambrósio, St. Agostinho e S. Gregório Magno.

Nos dois altares laterais encontram-se duas imagens, uma de N. Sra. da Conceição, outra de S. José com o Menino, esculpidas em 1756 em Nápoles por Januário Vassalo, tendo chegado a Coimbra apenas em 1777. Sobre os altares guardam-se as relíquias completas dos mártires S. Liberato e S. Fortunato; a mesa da celebração, na Capela-Mor, encontramSe as relíquias de S. Frutuoso.

O retábulo do Altar-Mor apresenta uma tela de autor italiano, representando o episódio bíblico do encontro do Menino Jesus no Templo entre os Doutores, pelos seus pais, Maria e José.

Na cúpula, um fresco da autoria de Pascoal Parente, pintado em 1760, representa a Assunção e Coroação de Nossa Senhora, entre Anjos e Santos. 

Os estudos a óleo para esta pintura podem apreciar-se na Sacristia, que mantém o mobiliário original em madeiras preciosas, ainda em uso até hoje.