Igreja de São Francisco

A Igreja de São Francisco, em Évora é uma das mais belas igrejas de Portugal, é um edifício de arquitetura gótico-manuelina e cuja construção decorreu entre 1480 e 1510, tendo a obra sido da responsabilidade dos mestres de pedraria Martim

Lourenço e Pero de Trilho e decorada pelos pintores régios Francisco Henriques, Jorge Afonso e Garcia Fernandes.

É um edifício intimamente ligado aos acontecimentos históricos que marcaram o período de expansão marítima portuguesa. Esta ligação encontra-se patente na magnificente nave de abóbada ogival onde se podem observar a Cruz da Ordem de Cristo, e os emblemas dos reis fundadores, D. João II e D. Manuel I.

O convento de São Francisco de Évora terá sido a primeira casa da Ordem Franciscana em Portugal, tendo sido fundada no século XII, pelo que a Igreja de São Francisco que chegou até nós não é a original, mas a que resultou da remodelação que se iniciou no final do século XV. As três naves deram lugar a uma só nave coberta por uma ousada abóbada gótico-manuelina, com cerca de 24 metros de altura.

Chegou a ser elevada à categoria de Capela Real, e o Convento recebeu o título de Convento do Ouro, já que a Família Real o decorou ricamente. Ainda que no período do domínio Filipino (1580-1640) o convento tenha conhecido tempos menos prósperos, foi neste período que se construiu a famosa Capela dos Ossos.

No interior da igreja destaque para: a longa nave com 10 capelas laterais, compostas por retábulos de talha dourada e policromada (século XVIII) e de estuques (século XIX); o retábulo de mármore da capela mor datado da segunda metade do século XVIII, e que contrasta com o ambiente manuelino do espaço; nos alçados da capela o grande destaque vai para as duas janelas renascentistas em mármores - era daqui que a Família Real assistia aos ofícios religiosos; destaque ainda para o cadeiral cuja decoração é feita com representações de vários santos franciscanos; não podemos deixar de referir também o majestoso conjunto artístico Capela da Ordem Terceira de S. Francisco da Penitência, neste espaço conjuga-se a beleza da talha dourada joanina, com telas e azulejos onde se podem observar temáticas franciscanas; o que igualmente não podemos deixar de mencionar é a Capela do Senhor dos Passos da Casa dos Ossos datada do século XIX (antiga Sala do Capítulo) - este para além de ser um espaço impar é o espaço que acolhe a Imagem que representa o sofrimento de Cristo a caminho do calvário e por quem os eborenses têm grande devoção.

Acresce referir que nesta igreja se encontra sepultado, desde 1536, Gil Vicente, o primeiro grande dramaturgo português.

Com a extinção das Ordens Religiosas (1834), o Convento entra num declínio sem retorno, tendo sido demolido praticamente todo o edifício. Salvou-se a esplendorosa Igreja de São Francisco.

Ao passar por Évora não pode deixar esta Igreja por visitar!