Ecomuseu do Zêzere

Esta estrutura museológica destina-se a dar a conhecer ao visitante a história do Rio Zêzere e está instalado na antiga Tulha dos Cabrais.

Historicamente os Cabrais foram a mais importante família de Belmonte, grandes proprietários construíram este celeiro em frente ao seu solar tendo ficado a edificação para sempre conhecida como Tulha dos Cabrais.

Diretamente assente sobre um afloramento de granítico é uma sólida e sóbria construção de data desconhecida, que terá sofrido no entanto algumas remodelações, a mais evidente das quais ocorreu com a abertura da estrada fronteira à entrada que obrigou à construção das rampas de acesso. 

O Ecomuseu abre as suas portas a 26 de Abril de 2001 e desde então serve de janela para o rio Zêzere que ali perto atravessa a planície, dando a conhecer a sua morfologia, assim como a fauna e flora que dele dependem, usando originais tanques com reconstituições do seu leito. 

Ao visitante é dada a hipótese de conhecer o percurso do rio, dividindo-o em 3 etapas: a Infância, a Juventude e a Idade Adulta, altura em que as suas águas mergulham no rio Tejo. O visitante é também confrontado com as principais ameaças ao rio numa zona específica da exposição. 

Ali existe ainda uma sala de exposições temporárias e uma loja onde o visitante pode adquirir artigos alusivos ao museu, ao rio e à vila de Belmonte.